Bandeiras de países, ilhas independentes, províncias e territórios ( clique nos nomes)

África

Américas

Ásia e Oriente Médio

Europa

Portugal

Oceânia e Ilhas do Pacifico

REIS E RAINHAS e PRESIDENTES de PORTUGAL

D. Afonso Henriques

Filipe I Manuel de Arriaga

D. Sancho l

Filipe II Teófilo Braga
D. Afonso II Filipe III Bernardino Machado
D. Sancho II D. João IV Sidónio Pais
D. Afonso IIID. Afonso VI João do Canto e Castro
D. DinisD. Pedro II António José de Almeida
D. Afonso IV D. João V Manuel Teixeira Gomes
D. Pedro I D. José I Mendes Cabeçadas
D. Fernando I D. Maria I Gomes da Costa
D. João I D. João VI António Carmona
D. Duarte D. Pedro IV Craveiro Lopes
D. Afonso V D. Miguel Américo Tomás
D. João II D. Maria II António de Spínola
D. Manuel I D. Pedro V Costa Gomes
D. João III D. Luís Ramalho Eanes
D. Sebastião D. Carlos

Mario Soares

D. Henrique D. Manuel II

Jorge Sampaio

D. António

Anibal Cavaco Silva

Cronologia da Reconquista 711 a 1385


Neste espaço é apresentado a Cronologia da História de Portugal desde a criação de um País em que Passou a chamar Portugal, vale a pena ler esta cronologia, Divirtam-se




A seguinte tabela descreve os acontecimentos da Reconquista, por ordem cronológica.
Ano(s) Descrição
711-718 Os muçulmanos dão início à invasão árabe da Península Ibérica
718 Pelágio das Astúrias, um nobre visigodo é eleito rei e avança sobre o exército muçulmano, iniciando a Reconquista Cristã.
750 Os cristãos, sob o comando de Afonso I das Astúrias, ocupam a Galiza que teria sido abandonada pelos berberes.
791 Bermudo I das Astúrias é derrotado na batalha de Burbia pelo andaluz Hisham I, motivo que levaria Bermudo a renunciar ao trono.
791-842 Afonso II das Astúrias consolida as conquistas e avança para Sul do Rio Douro.
798 Expedição de Afonso II das Astúrias até Lisboa.
873-898 Wilfredo, Conde de Barcelona institui um reino cristão com alguma independência dos Francos.
905-926 Sancho I Garcez cria o reino Basco, em Navarra.
930-950 Ramiro II de Leão derrota Abd al-Rahman III nas batalhas de Simancas, Osma e Talavera.
950-951 O Conde Fernão Gonzalea cria as fundações para a independência de Castela
981 Ramiro III de Leão é derrotado pelo Almançor na batalha de Rueda e é obrigado a pagar tributo ao Califado de Córdova.
999-1018 Afonso V de Castela reconstrói os reinos.
1002 Última batalha de Almançor: Calatañazor
1000-1033 Sancho III de Navarra subjuga o condado de Aragão, toma a posse do condado de Castela e ameaça Bermudo III de Leão da sua intenção de se tornar imperador, anexando
o Reino de Leão. Contudo, após a sua morte, deixa

Navarra para o seu filho, Garcia III, Castela para

Fernando I e Aragão para Ramiro I
1035-1063 Fernando I de Leão conquista Coimbra e impõe tributo às taifas de Toledo, Badajoz e Sevilha. Antes da sua morte, divide os territórios entre os filhos: Castela
para Sancho II, Leão para Afonso VI de Castela.
1065-1109 Afonso VI unifica ambos os reinos sob o seu ceptro e toma Toledo.
1086 A ameaça cristã alerta os reis das taifas de Granada, Sevilha e Badajoz que pedem auxílio aos Almorávidas.
1102 O seguidores de Cid deixam Valência e os muçulmanos ocupam a península até Saragoça.
1118 Afonso I de Aragão conquista Saragoça.
1128 a 24 de Junho de , entre Dom Afonso Henriques e as tropas de sua mãe, D. Teresa e do conde galego Fernão Peres de Trava, que se tentava apoderar do
governo do Condado Portucalense. As duas facções confrontaram-se no campo de São

Mamede, perto de Guimarães. Com a derrota, D. Teresa e Fernão Peres abandonaram

o governo condal, que ficaria agora nas mãos do infante e seus partidários,

desagradando o bispo de Santiago de Compostela, Diogo Gelmires, que cobiçava o

domínio das terras. D. Teresa desistia assim das ambições de ser senhora de

Portugal. Existem rumores não confirmados que ela tenha sido aprisionada no

Castelo de Lanhoso. Há até quem relate as maldições que D. Teresa pregou ao seu

filho D. Afonso Henriques.
1135 Afonso VII de Leão restaura o prestígio da monarquia leonesa e é proclamado imperador.
1139 D. Afonso Henriques autoproclamou-se rei de Portugal depois de uma estrondosa vitória na batalha de Ourique contra um forte contingente mouro,
com o apoio das suas tropas. Segundo a tradição, a independência foi confirmada

mais tarde, nas míticas cortes de Lamego, quando recebeu a coroa de Portugal do

arcebispo de Braga, D. João Peculiar, se bem que estudos recentes questionem a

reunião destas cortes.
1143 O reconhecimento do Reino de Leão e de Castela chegou  com o tratado de Zamora, e deve-se ao desejo de Afonso VII de Leão e Castela em tomar o título de
imperador de toda a Hispânia e, como tal, necessitar de reis como

vassalos. Desde então, Afonso I procurou consolidar a independência por si

declarada. Fez importantes doações à Igreja e fundou diversos conventos.
1147 Conquista de Lisboa por D. Afonso Henriques aos mouros com a ajuda dos Cruzados.
1151 Os Almóadas, outra dinastia africana, depuseram os Almorávidas e retomaram Almeria.
1162 Afonso II, filho de Petronila e Ramón Berenguer IV unificam o reino de Aragão e o condado de Barcelona.
1179 Papa Alexandre III reconheceu Portugal como país independente e vassalo da Igreja, através da Bula Manifestis Probatum.
1195 Os Almóadas derrotam os castelhanos na Batalha de Alarcos.
1212 Afonso VIII de Castela, Sancho VII de Navarra, Pedro II de Aragão e Afonso II de Portugal saem vitoriosos da Batalha de Navas de Tolosa.
1229 Jaime I de Aragão, reconquista Mallorca.
1230 Afonso IX de Leão avança sobre o Guadiana, tomando Mérida e Badajoz, abrindo o caminho para a conquista de Sevilha.
1217-1252 Fernando III de Castela conquista Córdoba, Múrcia, Jaen e Sevilha. Resta Granada, a única província muçulmana.
1252-1284 Afonso X de Castela, o Sábio, continua a Reconquista e é obrigado a enfrentar a revolta 'Mudejar' na Andaluzia e Múrcia. Procura ser elegido como imperador
do Sacro Império Romano-Germânico em 1257. Afonso X

esboça o Fuero de las Leyes, o predecessor das

Sete Partidas
.
1284 Assembleia de nobres, prelados e cidadãos depõem Afonso X e passam o poder para o seu filho, Sancho IV de Castela
1309 Fernando IV de Castela toma Gibraltar.
1312-1350 Afonso XI de Castela e Afonso IV de Portugal lutam pelo reino da Granada e, ao fim de 25 anos de tentativas, em 1340, vencem na Batalha do Salado
1369 Pedro I de Castela, o Cruel, é assassinado em Montiel pelo seu meio-irmão Henrique de Trastámara, que irá governar como Henrique II.
1385 Portugal vence Castela na Batalha de Aljubarrota