Bandeiras de países, ilhas independentes, províncias e territórios ( clique nos nomes)

África

Américas

Ásia e Oriente Médio

Europa

Portugal

Oceânia e Ilhas do Pacifico

REIS E RAINHAS e PRESIDENTES de PORTUGAL

D. Afonso Henriques

Filipe I Manuel de Arriaga

D. Sancho l

Filipe II Teófilo Braga
D. Afonso II Filipe III Bernardino Machado
D. Sancho II D. João IV Sidónio Pais
D. Afonso IIID. Afonso VI João do Canto e Castro
D. DinisD. Pedro II António José de Almeida
D. Afonso IV D. João V Manuel Teixeira Gomes
D. Pedro I D. José I Mendes Cabeçadas
D. Fernando I D. Maria I Gomes da Costa
D. João I D. João VI António Carmona
D. Duarte D. Pedro IV Craveiro Lopes
D. Afonso V D. Miguel Américo Tomás
D. João II D. Maria II António de Spínola
D. Manuel I D. Pedro V Costa Gomes
D. João III D. Luís Ramalho Eanes
D. Sebastião D. Carlos

Mario Soares

D. Henrique D. Manuel II

Jorge Sampaio

D. António

Anibal Cavaco Silva

O Império Português







O Império Português foi o primeiro império global da história, com um conjunto de territórios repartidos por quatro continentes, sob soberania
portuguesa. Foi também o mais duradouro dos impérios coloniais europeus

modernos, sob o nome "Império Colonial Português" na primeira metade do Estado

Novo; abrangeu quase seis séculos desde a tomada de Ceuta em 1415 à

independência de Timor, em 2002

Descobrimentos portugueses
Infante Dom Henrique, o Navegador, (1394-1460),
príncipe português
O expansionismo evangelizador e comercial português foi marcado inicialmente pelo espírito militar de continuação da
reconquista além-mar, visando primeiro a cristianização do Norte

de África e, só depois, buscando um caminho marítimo para o

Oriente alternativo ao Mare Clausum Mar Mediterrâneo,

dominado pelas repúblicas marítimas italianas, pelos otomanos,

pelos mouros e por piratas, no lucrativo comércio de

especiarias.
Os portugueses começaram por explorar a costa de África em 1419, com navegadores experientes servidos pelos mais avançados
desenvolvimentos náuticos e cartográficos da época,

desenvolvendo a caravela.
Após sucessivas viagens exploratórias, Bartolomeu Dias dobrou pela primeira vez o Cabo da Boa Esperança, entrando no Oceano
Índico a partir do Atlântico em 1488.
A chegada de Cristóvão Colombo à América em 1492 levou a uma negociação entre D. João II e o Reino de Castela. Como
resultado, foi assinado em 1494 o Tratado de Tordesilhas,

dividindo o Mundo em duas áreas de exploração: a portuguesa e a

castelhana, cabendo a Portugal as terras "descobertas e por

descobrir" situadas antes do meridiano que demarcava 370 léguas

(1.770 km) a oeste das ilhas de Cabo Verde, e à Espanha as

terras que ficassem além dessa linha.
Pouco depois, em 1498, Vasco da Gama chegou à Índia. Em 1500, numa segunda viagem para a Índia Pedro Álvares Cabral desvia-se
da rota na costa Africana e chega ao Brasil Nas décadas que se

seguiram os navegadores portugueses continuaram a exploração das

costas e ilhas da Ásia oriental, estabelecendo fortificações e

postos comerciais.
Em 1571 uma cadeia de entrepostos ligava Lisboa a Nagasaki, cidade fundada no Japão pelos portugueses: o império tornara-se
verdadeiramente global, trazendo no processo enormes riquezas

para Portugal. Em 1572, três anos após regressar do Oriente,

Luís Vaz de Camões publicaria a epopeia "Os Lusíadas", cuja

acção central é a descoberta do caminho marítimo para a Índia

por Vasco da Gama, imortalizando os feitos dos portugueses.
Apesar dos formidáveis ganhos no Oriente, o interesse por Marrocos não enfraquece. Em 1578 o rei D. Sebastião procurou
conquistar os territórios interiores, o que terminou na derrota

em Alcácer-Quibir, seguindo-se uma crise sucessória que resultou

na união com a coroa espanhola em 1580.

Mapa do Império Português no reinado de D. João III.
Durante a Dinastia Filipina o império português sofreu grandes reveses ao ser envolvido nos conflitos de Espanha com a
Inglaterra, a França e a Holanda, que tentavam estabelecer os

seus próprios impérios.
Entre 1595 e 1663 foi travada a Guerra Luso-Holandesa com as Companhias Holandesas das Índias Ocidentais e Ocidentais, que
tentavam tomar as redes de comércio portuguesas de especiarias

asiáticas, escravos da África ocidental e açúcar do Brasil Após

a perda de numerosos territórios, Portugal restaurou a

independência em 1640. Em 1654 conseguiu recuperar o Brasil e

Luanda, embora tendo perdido para sempre a proeminência na Ásia.
O Brasil ganhou assim importância no império, reforçada pela descoberta de grandes quantidades de ouro no fim do século XVII.
Com a chegada da Corte portuguesa em 1808, protegendo-se dos

exércitos de Napoleão I, passou a ser considerado um associado

ao Reino, com a designação de Reino Unido de Portugal, Brasil e

Algarves.
Com o reconhecimento da declaração de independência do Brasil em 1825, Portugal acentuou a expansão territorial no interior da
África, e a partir de 1870 teria enfrentar as potências

europeias para conservar o resto do seu fragmentado Império: as

ilhas de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe, a Guiné

continental, as costas da Angola e de Moçambique, as possessões

portuguesas nas Índias, Macau e Timor.
Em 1946, como política para evitar ser considerado uma potência colonial nos fóruns internacionais, na esperança de
preservar um Portugal intercontinental, o Estado Novo passou a

designar as colónias por províncias ultramarinas, considerando

que esses territórios não eram colónias, mas sim parte

integrante e inseparável de Portugal, como uma "Nação

Multirracial e Pluricontinental".
Em 1961 iniciam-se em África os confrontos da Guerra Colonial Portuguesa, que duraria até à Revolução dos Cravos em (1974),
resultando na independência das colónias em 1975.
O "fim" de jure do Império Português terá sido em 1999, quando Macau, último território sob a sua administração,
foi devolvido à República Popular da China. Pode-se ainda

considerar que este ocorreu em 2002, quando Portugal reconheceu

a independência de Timor-Leste, libertada da ocupação indonésia

em 1999.
Pode dividir-se a história do império português em períodos distintos:
  • "Primeiro Império" (1415-1580): Descobrimentos e expansão em África e no Oriente, que terminaria com a
    ocupação espanhola.
  • "Segundo Império" (1580-1822): Com a perda de influência no Oriente o Brasil ganha importância.
  • "Terceiro Império" (1822-1975): Após a independência do Brasil, África domina no Império Colonial Português.